Internações por Covid podem subir ainda mais nos próximos dias

Por FolhaPress


Ana Bottallo
São Paulo, SP

A alta de casos recente de Covid no Brasil já reflete em uma subida também de hospitalizações por Srag (síndrome respiratória aguda grave) em adultos em pelo menos quatro estados, conforme mostrou o último boletim InfoGripe da Fiocruz.
Com isso, cresce também a preocupação de uma nova onda se consolidar no país nas próximas semanas, segundo especialistas.
O aumento, que já havia sido antecipado pela Folha, já é verificado também em Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Amazonas.
Os dados de hospitalização são, em geral, mais confiáveis para se verificar a tendência de alta ou queda da transmissão do vírus, explica o professor da Unesp e coordenador da plataforma SP Covid-19 InfoTracker, Wallace Casaca.
“Já tínhamos observado há pouco mais de duas semanas um aumento de internações com início na capital, se espalhando depois para a Grande SP. Hoje, a situação é de aumento também em regiões próximas, como Sorocaba e Campinas, embora em um ritmo menor que na capital”, explica.
No estado de São Paulo, segundo dados disponíveis até o último dia 13 na plataforma Seade Coronavírus, do governo, o número de novas internações por Covid saltou de 134, no dia 30 de outubro, para 333 (aumento de 148,5%). No período que abrange as últimas quatro semanas, a ocupação dos leitos de UTI Covid mais que dobrou, de 15,3%, no dia 13 de outubro, para 32% até o último domingo (13).
Já as novas internações na Grande São Paulo subiram de 112, no dia 30 de outubro, para 256 até 13 de novembro, uma variação de mais de 128%. Porém, o pesquisador ressalta que cerca de 60% das internações que ocorrem no estado são da capital. “É quando se alastra para o interior que temos um indício de uma nova onda”, avalia Casaca.
Na última semana, o governo paulista emitiu um alerta devido à situação preocupante do aumento de internações no estado e na capital e recomendando o uso de máscaras, dentre outras medidas.
Em entrevista à Folha na última sexta-feira (11), o secretário da pasta de ciência e pesquisa em saúde, David Uip disse que o alerta já foi dado. “A recomendação [de máscaras] já foi feita e o governador está informado. As pessoas vão fazer testes em farmácias com sintomas e sem máscaras”, reforçou.
Apesar da recomendação, o governador Rodrigo Garcia (PSDB) disse, no último domingo (14), que não vai retomar o uso de máscaras obrigatório el locais fechados, diferentemente do que vem sendo proposto pelas principais universidades paulistas, como USP e Unicamp.
Além de SP, outros estados já começam a apresentar tendência de subida. No Rio de Janeiro, o número de hospitalizados com Srag Covid no último mês saltou de 20, no dia 2 de outubro, para 82 até o dia 5 de novembro. Também no Amazonas e no Rio Grande do Sul houve um aumento de casos de Srag em adultos na última semana epidemiológica, de acordo com o boletim InfoGripe da Fiocruz mais recente.
“Os dados são ainda parciais, mas já observamos uma manutenção da tendência de aumento no Amazonas, principalmente em Manaus, e em outros três estados, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, […] onde já observamos uma tendência de aumento das internações por síndrome gripal nos adultos e em particular naqueles indivíduos com mais de 60 anos”, disse Marcelo Gomes, coordenador do InfoGripe.
Apesar da alta de hospitalizações, ainda é difícil mensurar qual vai ser o tamanho da nova onda que se aproxima, diz Gomes. Como há possibilidade de atraso no registro laboratorial, é provável que a verdadeira dimensão de casos seja ainda maior.
Mesmo assim, o índice de transmissão do coronavírus, conhecido como Rt, segue em alta nas últimas quatro semanas, passando de 0,76, no dia 2 de outubro, para 1,27 no último domingo (13). Uma taxa acima de 1 significa que cada pessoa com o vírus transmite para uma outra pessoa ou mais.
De acordo com dados do consórcio de veículos de imprensa, a média móvel de casos de Covid subiu 77% no último domingo em relação às duas semanas anteriores. Já a média móvel de óbitos caiu 36% no mesmo período.
“É uma nova onda de óbitos? Não sabemos. Com certeza é uma nova onda de casos, e isso é grave porque sempre gera óbitos. Já estamos vendo as equipes de saúde se preparando, mas o mais importante é mobilizar novamente o poder público, retomar o uso de máscaras e atualizar o reforço das vacinas”, avalia Casaca.
A taxa de positividade dos testes realizados em laboratórios do grupo Fleury também apresentou um novo aumento na segunda semana de novembro em relação ao período anterior, de 31 de outubro a 6 de novembro. Enquanto 3 em cada 10 testes realizados até o dia 6 eram positivos, esse índice passou para 39% até esta segunda –um aumento de 30% da positividade.
Segundo a infectologista Carolina Lázari, do Fleury Medicina e Saúde, a procura por testes aumentou cinco vezes na última semana. “Sem dúvida esse aumento se deu porque as pessoas estiveram mais em contato com infectados e também pelo aumento de casos sintomáticos”, afirma.
Para o virologista e coordenador da Rede Corona-ômica BR do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Fernando Spilki, apesar de o aumento de casos notificados ser sobre uma base relativamente pequena de amostras –considerando que, atualmente, são poucos os testes feitos em comparação aos outros períodos da pandemia–, é possível sim verificar uma elevação.
“É difícil não termos uma nova onda porque nos anos anteriores o perfil [da pandemia] foi de aumento de hospitalizações seguido por aumento das notificações, e isso se repetiu na época de final de primavera e início de verão, quando entraram novas cepas circulantes no hemisfério Norte no país”, disse.
Casaca, do InfoTracker, também espera que o crescimento seja ainda maior nos próximos dias. “Infelizmente, a notícia hoje é que começamos a entrar em uma subida com um perfil de crescimento bastante rápido. E isso, mesmo quando proporcionalmente com um número reduzido em relação ao de outras ondas, vai de alguma forma sobrecarregar o sistema hospitalar”, diz.
Postagem Anterior Próxima Postagem

PUBLICIDADE