Agir não distribui fundão na Bahia; candidato acusa Júnior Muniz de controlar recursos

Por Leonardo Almeida

Foto: Reprodução / TSE

Os candidatos do Agir na Bahia, antigo PTC, não receberam nenhum recurso do fundo eleitoral da direção do partido para realizar suas campanhas neste ano. Uma fonte vinculada a sigla afirmou ao Bahia Notícias que o partido realizou promessas em relação a repartição do fundão, porém não foram cumpridas. Um candidato do Agir chegou a afirmar que o dinheiro seria destinado a campanha à reeleição do deputado estadual Júnior Muniz, filiado ao PT. A direção baiana do Agir recebeu a doação de R$ 300 mil do diretório nacional, porém, ainda não realizou a distribuição para nenhum candidato, de acordo com dados do DivulgaCand, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Um candidato do partido, que preferiu não se identificar, afirmou que Júnior Muniz chegou a prometer uma quantia superior a R$ 20 mil a um postulante do Agir, porém o valor nunca foi repassado. A pessoa ligada a legenda, inclusive, afirmou que os candidatos do partido estão sendo atendidos no gabinete do petista, que concorre à reeleição na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA).
“Neste mês de setembro me foi prometido que receberia uma ajuda do fundo eleitoral, mas isso nunca aconteceu. Os candidatos do Agir, inclusive, estão sendo atendidos dentro do gabinete de Júnior Muniz. O partido sempre teve o seu escritório”, afirmou.
A direção estadual do Agir recebeu uma quantia de R$ 300 mil originários do diretório nacional do partido. Contudo, o diretor da sigla na Bahia, Odilon Muniz, não fez a redistribuição do fundo partidário entre os candidatos. Vale lembrar que o gestor é assessor do deputado petista Júnior Muniz (veja mais aqui).
Além disso, o candidato à reeleição na AL-BA, chegou a cogitar aderir ao Agir no início deste ano, após deixar o Progressistas (PP). O deputado também negociou com o Avante e, inclusive, o parlamentar Sargento Isidório, que lidera a sigla na Bahia, chegou a cravar a chegada de Júnior Muniz na legenda para as eleições deste ano (relembre aqui).
A fonte vinculada ao Agir também afirmou que tentou entrar em contato com Odilon diversas vezes, mas não obteve nenhuma resposta. A fonte fez a acusação de que o fundo partidário da direção estadual, no valor de R$ 300 mil, será destinado integralmente para a campanha de reeleição de Júnior Muniz.
“Ninguém está conseguindo conversar com Odilon. Tinha questões em relação a pagamentos do partido, mas nem para isso ele está aparecendo. Um candidato me informou que o dinheiro do Agir está indo todo para a campanha de Júnior Muniz”, disse a fonte.
De acordo com dados do DivulgaCand, do TSE, o candidato à reeleição na Assembleia Legislativa não recebeu nenhuma quantia do Agir. As únicas doações realizadas a ele são R$ 200 mil da direção nacional do PT e outros R$ 120 mil doados pelo próprio Júnior Muniz para a sua campanha, em uma transferência eletrônica.
O Agir possui um fundo eleitoral total no valor de R$ 23.143.220,57, de acordo com o Sistema de Eletrônico de Informações (SEI) do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Dessa quantia, o partido já distribuiu R$ 17,9 milhões para candidatos e direções de diversos estados do Brasil.
A equipe de reportagem tentou entrar em contato diversas vezes com o diretor estadual do Agir, Odilon Muniz, mas não obteve resposta. O Bahia Notícias também procurou pelo deputado Júnior Muniz, porém também não recebeu resposta até o encerramento da matéria.
Postagem Anterior Próxima Postagem

 PUBLICIDADE