Jejum orientado por líder religioso deixa mais de 70 mortos no Quênia


Subiu para 73 o número de mortos em uma seita do Quênia que incentivava os seguidores a jejuarem, afirmou a polícia do país na segunda-feira (24). Os corpos foram encontrados ao longo dos últimos três dias em Malindi, no leste do país.
Os mortos faziam parte da Igreja Internacional das Boas Novas. O fundador da igreja, Makenzie Nthenge, incentivou os seguidores a fazerem jejum total “para conhecer Jesus”, segundo as investigações. Nthenge foi preso há dez dias, mas seus seguidores seguem escondidos jejuando, segundo a polícia.
Parte dos corpos estava em uma vala comum em uma floresta na região, onde o grupo costuma se reunir para realizar cultos. Mas o chefe das investigações local, Charles Kamau, afirmou que a polícia ainda busca por desaparecidos – alguns fiéis estão escondidos, ainda de acordo com as investigações, para que possam seguir jejuando. Ler mais no G1.
Postagem Anterior Próxima Postagem