Médicos da USP lançam manifesto a favor da democracia e em apoio à chapa Lula-Alckmin

Médicos da USP e do Hospital das Clínicas (HC) resolveram se mobilizar a favor da democracia no país. Um manifesto lançado na segunda (8) pelos profissionais de saúde formados na universidade reúne mais de 300 assinaturas. O texto faz duras críticas ao atual governo de Jair Bolsonaro (PL) e defende o voto na chapa Lula-Alckmin. ​ iniciativa é idealizada por ex-alunos da Faculdade de Medicina (FMUSP) muitos dos quais foram presidentes do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz.
ós nos juntamos e falamos: Vamos fazer um manifesto porque, afinal, os médicos já tiveram papel importante em muitos momentos da história do país”, afirma a médica e pesquisadora Maria Maeno, uma das idealizadoras do texto.
Ela diz que, atualmente, os profissionais não são reconhecidos como pessoas que lutam pela democracia “No entanto, nós queríamos mostrar que temos um grupo que clama, preza e luta pela democracia”, segue.
A proposta reúne alunos, ex-alunos e professores não só de medicina, mas também dos cursos de fonoaudiologia, fisioterapia e terapia ocupacional da universidade. Também participam profissionais que trabalham no Hospital das Clínicas (HC) e no Hospital Universitário (HU) da Faculdade de Medicina da USP.
“É importante que as pessoas que trabalham na área da saúde se manifestem a favor da democracia como já fizemos na época da redemocratização do país e das Diretas Já. Nós estamos sendo convocados novamente para um momento histórico, em que as nossas liberdades estão ameaçadas”, acrescenta Maria.
Segundo ela, o manifesto reúne pessoas de diferentes partidos, que avaliam que no atual momento a chapa Lula-Alckmin é a única que apresenta “viabilidade eleitoral para reconstruir os pilares de nossa democracia”.
O documento responsabiliza o governo de Bolsonaro por “dezenas de milhares de mortes”. “A área da saúde sofre redução de recursos, que aliada à desestruturação do Ministério da Saúde e à condução desastrosa do presidente, contrária ao conhecimento científico e à opinião dos especialistas, resultou em dezenas de milhares de mortes e sequelas evitáveis.”
O manifesto afirma também que são marcas da atual gestão o “desprezo pela cultura, pela pesquisa e pela educação”, assim como a “fome, a precarização do trabalho e a degradação ambiental”. Diz ainda que o governo de Bolsonaro estimula o armamento da população, ameaça o Poder Judiciário e tenta deslegitimar o sistema eleitoral, “mesmo sem nenhuma evidência de vício no processo do voto eletrônico desde sua adoção”.
Já assinaram o documento os infectologistas Aluisio Segurado e Marcos Boulos, também professores titulares da FMUSP, e Celso Granato, diretor clínico do Grupo Fleury.
O manifesto dos médicos vem na esteira de outros movimentos, como a carta em defesa da democracia que foi lida na quinta-feira (11) na Faculdade de Direito da USP, em São Paulo.

Mônica Bergamo/Folhapress
Postagem Anterior Próxima Postagem

 PUBLICIDADE