Polícia Federal interdita fábricas de dois dos maiores produtores de licor da Bahia

Os mais tradicionais fabricantes de licor em Cachoeira, no Recôncavo Baiano, os “Licores do Roque Pinto” e “Arraiá do Quiabo”, foram interditados pela Polícia Federal, na última terça-feira (21).
Segundo o G1, técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) fiscalizaram as fabricas de licor do município e realizaram várias exigências.
De acordo com a Associação dos Fabricos de Licor de Cachoeira, ao G1, foi estipulado que até 11 de julho os locais precisam seguir as exigências.
O presidente da associação e gestor do fabrico “Licores Roque Pinto”, Roseval Pinto, declarou que o Mapa pontuou irregularidades perante o Ministério da Agricultura. Nas visitas anteriores, os técnicos multaram a empresa e disseram que adequações precisavam ser feitas.

Dentro das determinações solicitadas pelo Ministério da Agricultura estão:

mudanças no espaço físico dos estabelecimentos;

contrato de um químico responsável, ou engenheiro de produção ou engenheiro químico;

registro junto ao Mapa de cada um dos produtos que os estabelecimentos fabricam; um documento com a planta do local e uma espécie de inventário de tudo que tem no fabrico (móveis, objetos, quantidade desses objetos, local onde ficam instalados/armazenados).
A prefeita da cidade, Eliana Gonzaga afirmou que o poder público tem atuado junto à Associação dos Licores e aos fabricos interditados para tentar reverter a situação.
Além disso, Gonzaga também ressaltou que a Vigilância Sanitária do município realiza fiscalizações e os fabricos de licor de Cachoeira seguem todas as normas e exigências.
Postagem Anterior Próxima Postagem

Publicidade

Publicidade