Para evitar colapso no transporte público, Tiago Correia pede a Rui Costa desconto no ICMS do diesel

O deputado afirmou que espera a sensibilidade do governador, principalmente pelo momento de juros elevados que o país passa, o que tem consumido o poder de compra da população

Foto: Divulgação/Arquivo

O anúncio de reajuste de 8,9% no preço do diesel, feito nesta segunda-feira (9) pela Petrobras, trouxe uma grande preocupação para os sistemas de transporte sobre pneus na Bahia. Para evitar um colapso nos sistemas de transporte público do estado, o deputado estadual Tiago Correia (PSDB) apresentou na terça-feira (10) um Projeto de Indicação que pede ao governador da Bahia, Rui Costa, um desconto incidente sobre o combustível óleo diesel, utilizado na prestação do serviço de transporte público coletivo.
A medida vale para as empresas de ônibus responsáveis pelo transporte público de passageiros no Estado da Bahia. “O Transporte municipal é atribuição dos municípios, mas o governo do estado, como arrecadador de ICMS sobre o combustível utilizado no transporte público, não pode se eximir deste este problema. E a maneira mais efetiva que o governo do Estado pode ajudar é reduzindo o ICMS do combustível do transporte público municipal e metropolitano”, justificou Correia.
A prefeitura de Salvador, por exemplo, já isentou o ISS e todas as taxas para ajudar o setor a não entrar em colapso. Já o governo federal está avançando para conceder o subsídio, que tramita no Congresso Nacional. Só no combustível, o crescimento nos insumos relacionados ao transporte foi superior a 100%.
Segundo Correia, diversos estados brasileiros já concederam descontos no ICMS do diesel para o transporte público coletivo. “Alguns, inclusive, a tarifa chegou a ser zerada, a exemplo do Rio Grande do Norte, que ano passado oficializou a isenção do ICMS sobre o diesel. Desta forma, a Bahia não pode ficar de fora deste movimento, e é urgente todos os esforços necessários na desoneração de todos os tributos que incidem sobre os insumos utilizados pelo transporte público, que representam, somados, uma carga tributária de 35,6%, extremamente elevada por incidir sobre um serviço essencial utilizado principalmente pela população de menor renda”, disse.

O deputado afirmou que espera a sensibilidade do governador, principalmente pelo momento de juros elevados que o país passa, o que tem consumido o poder de compra da população brasileira.
Postagem Anterior Próxima Postagem