Ao menos 20 civis conseguiram fugir de usina em Mariupol

Uma fuga planejada pela ONU estava em andamento, embora não esteja claro se a partida de sábado foi organizada pela ONU


Pelo menos 20 civis, incluindo várias crianças, conseguiram deixar uma usina siderúrgica danificada no porto ucraniano de Mariupol neste sábado, 30, no que poderia ser o início da maior retirada do último bolsão de resistência no território controlado pela Rússia.
As condições de vida na rede de túneis sob a usina siderúrgica, onde se acredita que centenas de civis estejam ao lado de combatentes ucranianos, foram descritas como brutais. Até agora, os esforços para retirar os civis não tiveram sucesso.
Combatentes do batalhão ucraniano Azov, que defendeu o local, disseram que 20 civis partiram, possivelmente para a cidade de Zaporizhia, cerca de 225 quilômetros a noroeste. A agência de notícias russa TASS deu uma versão semelhante, embora tenha apontado que 25 civis saíram.
Uma fuga planejada pela ONU estava em andamento, embora não esteja claro se a partida de sábado foi organizada pela ONU ou se outras retiradas são esperadas. Não foram fornecidos detalhes sobre a condição das pessoas que saíram.
O presidente ucraniano Volodmir Zelenski disse em um vídeo que Kiev “está fazendo tudo para garantir que a missão de evacuação de Mariupol seja realizada”. Imagens de satélite da empresa norte-americana Maxar, tiradas na sexta-feira, 29, mostram a devastação de Mariupol, com quase toda a Azovstal destruída.
O aparente cessar-fogo em Mariupol ocorreu no momento em que os ataques russos continuam inabaláveis em toda a Ucrânia, especialmente nas disputadas regiões orientais, com ataques chegando até Odessa, um porto no Mar Negro.
O governador regional de Odessa, Maxim Marchenko, disse que um ataque de míssil russo destruiu a pista do aeroporto, enquanto a Rússia continua a atacar a infraestrutura e as linhas de abastecimento no oeste da Ucrânia.
Enquanto isso, as autoridades ucranianas relataram a descoberta de três homens mortos com marcas de tortura perto de Bucha, uma área que foi ocupada durante semanas por tropas russas. As vítimas, extraídas de um túmulo na cidade de Myrotske, tiveram as mãos amarradas e os olhos enfaixados.
“Eles foram torturados por muito tempo” e mortos por “um tiro na têmpora”, disse o chefe de polícia de Kiev, Andriy Nebytov. Em Mariupol, o Batalhão Azov disse no sábado que limpou os destroços dos bombardeios noturnos russos para resgatar civis presos.
“Vinte civis, mulheres e crianças foram transferidos para um local adequado e esperamos que sejam evacuados para Zaporizhia, em território controlado pela Ucrânia”, disse Sviatoslav Palamar, vice-comandante do batalhão.

Rússia nega massacre

Denis Pushilin, líder da região separatista do leste de Donetsk, acusou as forças ucranianas de “agir como terroristas” por supostamente impedir que civis deixassem a siderúrgica. Na linha de frente oriental, as forças russas avançaram lentamente em algumas áreas, apoiadas pelo uso maciço de artilharia, mas as forças ucranianas também recuperaram território nos últimos dias, principalmente em torno da cidade de Járkov.
Uma das áreas recuperadas do controle russo foi a vila de Ruska Lozova, que os evacuados dizem estar ocupada por dois meses. “Foram dois meses de medo terrível. Nada além de medo terrível e implacável”, disse Natalia, uma sobrevivente de 28 anos de Ruska Lozova, à AFP ao chegar a Kharkov.
“Ficamos no porão sem comida por dois meses, comemos o que tínhamos”, disse Svyatoslav, 40, que não quis dar seu nome completo. Milhares de pessoas morreram e milhões foram forçadas a fugir de suas casas desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, uma ex-república soviética que caiu sob seu domínio durante a Guerra Fria, mas agora busca fortalecer sua aliança com os países ocidentais.
O porta-voz do Pentágono, John Kirby, denunciou na sexta-feira a destruição da Ucrânia e criticou o que chamou de “depravação” do presidente russo, Vladimir Putin. Promotores ucranianos disseram nesta semana que identificaram mais de 8.000 crimes de guerra desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro e que estão investigando 10 soldados russos por seu suposto envolvimento nas atrocidades de Bucha.
A Rússia nega seu envolvimento nos massacres e afirma que se trata de uma armação orquestrada pelo governo ucraniano. Mas Moscou confirmou na sexta-feira, 29, que suas forças haviam realizado um ataque aéreo em Kiev um dia antes, durante uma visita do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. Um jornalista foi morto na ação.
Enquanto isso, a vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereshchuk, informou que 14 ucranianos, incluindo um soldado grávida, foram libertados em uma troca com as forças russas. Ele não especificou quantos russos foram devolvidos.
Apesar do avanço territorial de Moscou, o especialista militar russo Alexander Khramchikhin disse à AFP que “não foi muito rápido”. Mas o ministro russo das Relações Exteriores Sergey Lavrov assegurou que “a operação militar especial (…) está sendo realizada em estrita conformidade com o plano”, em entrevista à agência de notícias chinesa Xinhua.
Ele também alertou os países ocidentais para que parem de enviar ajuda militar à Ucrânia. “Se os Estados Unidos e a Otan estão realmente interessados em resolver a crise ucraniana, a primeira coisa que devem fazer é acordar e parar de enviar armas e munições ao regime de Kiev”, acrescentou o chefe diplomático russo.
Postagem Anterior Próxima Postagem