Menino que perdeu família em temporal em Paraty tem morte encefálica

Único integrante da família resgatado do local com vida, ele estava internado no Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes

Foto: Reprodução Leonardo Vieceli

O menino Dorqueu Campos dos Santos, 12, que perdeu a mãe e seis irmãos após um deslizamento de terra em Paraty (a 240 km do Rio de Janeiro), teve morte encefálica atestada na sexta-feira (15).
Único integrante da família resgatado do local com vida, ele estava internado no Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, desde o dia 3 de abril.
A Prefeitura de Duque de Caxias, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, afirmou que o quadro clínico era gravíssimo e que o garoto dependia de ventilação mecânica. Ele chegou a passar por uma cirurgia que durou cinco horas e estava internado na UTI. “A direção do HMAPN [Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes] informa que o óbito do paciente foi constatado às 12h17min desta sexta-feira”, disse a administração municipal em nota.
“A Prefeitura de Duque de Caxias lamenta profundamente e se solidariza junto aos amigos e familiares do jovem que lutou bravamente pela vida”, acrescentou.
Dorqueu e a família viviam em uma casa de pau a pique na comunidade costeira de Ponta Negra, em Paraty. O deslizamento que destruiu o endereço ocorreu em meio aos temporais que atingiram o Rio de Janeiro entre o final de março e o começo de abril.
São ao menos 21 mortes em decorrência das chuvas: 11 vítimas em Angra dos Reis, oito em Paraty, uma em Mesquita e uma em Cachoeiras de Macacu.
Após ser resgatado, Dorqueu foi levado ao Hospital Municipal Hugo Miranda, o único de Paraty, para atendimento médico.
Depois, foi encaminhado ao Hospital de Praia Brava, em Angra dos Reis, e, por último, transferido de helicóptero para a instituição de Duque de Caxias, referência em casos de traumas.

Postagem Anterior Próxima Postagem