Anvisa recebe pedido para uso da Coronavac em crianças de 3 a 5 anos

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) recebeu do Instituto Butantan um pedido para a ampliação do uso da vacina Coronavac em crianças de 3 a 5 anos. A solicitação foi feita na sexta-feira (11).
A agência reguladora já aprovou o imunizante para crianças e adolescentes de 6 a 17 anos em janeiro deste ano.
Na ocasião, a Anvisa vetou a aplicação da vacina para o público de 3 a 5 anos ao entender que não existiam dados suficientes para autorizar o imunizante nessa faixa etária.
Segundo a Anvisa, o prazo de avaliação para esse novo pedido é de até sete dias úteis e começa a contar a partir da segunda-feira (14).
A agência disse ainda que a análise técnica será feita de forma rigorosa e com toda a cautela necessária para esse público.
“No caso de vacinas para o público infantil, alguns dos principais pontos de atenção da Anvisa se referem aos dados de segurança e eventos adversos identificados, ajuste de dosagem da vacina, fatores específicos dos organismos das crianças em fase de desenvolvimento, entre outros”, disse, em nota.
O imunizante fabricado pelo Butantan está autorizado para uso emergencial no Brasil desde 17 de janeiro de 2021 para pessoas a partir de 18 anos.
Esse é o terceiro pedido feito pelo Instituto Butantan para imunizar crianças. O primeiro, apresentado em julho, foi avaliado pela agência reguladora e negado por causa da limitação de dados dos estudos apresentados. O segundo aprovou a vacina em crianças e adolescentes de 6 a 17 anos.
A Anvisa autorizou em 16 de dezembro o uso da vacina da Pfizer para imunizar crianças de 5 a 11 anos.
No dia 5 de janeiro, o Ministério da Saúde anunciou que crianças receberiam a vacina sem a necessidade de apresentação de prescrição médica.
A campanha de vacinação foi aberta em 14 de janeiro em São Paulo. O primeiro imunizado foi Davi Seremramiwe Xavante, um menino indígena de 8 anos.
A vacinação de crianças e adolescentes é tema sensível no governo Jair Bolsonaro (PL), que chegou a distorcer dados e desestimular a imunização dos mais jovens. Ele chegou a ameaçar expor nomes dos servidores da Anvisa que aprovaram o uso de vacinas da Pfizer em crianças.
O Ministério da Saúde adquiriu 10 milhões de doses da Coronavac com o Instituto Butantan para vacinar o público infantil.

Raquel Lopes/Folhapress
Postagem Anterior Próxima Postagem