Advogada e ex-funcionário da Amávia Cosméticos são agredidos por empresário

Extraído do Bahia Notícias

Foto: Reprodução/Instagram

A advogada Yasmin Oliveira e o ex-funcionário da Amávia Cosméticos, Rafael Batistas, foram agredidos pelo proprietário da empresa, Carlos Nunes, ao tentarem realizar um acordo trabalhista. O caso aconteceu no dia 3 de fevereiro, mas só se tornou público no domingo (13).
De acordo com as vítimas, eles tentaram marcar uma reunião online, mas Carlos Nunes exigiu que fosse presencial. Segundo a advogada, a reunião, na verdade, foi uma emboscada, conforme relatou ao Portal da Salvador FM. Eles foram colocados em uma sala sem câmeras, de difícil acesso à porta, com a intenção de agredi-los.
Carlos Nunes, conforme a advogada relata, espancou Rafael. Ela tentou entrar em contato com a polícia e começou a gritar para pedir ajuda. Quando conseguiu entrar em contato com a polícia, o empresário começou a agredi-la. Com isso, cinco funcionários apareceram no local para conter a agressão.
Ela conta que seu cliente sofria assédio da supervisora, e por isso decidiu sair da empresa. Eles propuseram um acordo trabalhista para que os direitos de Rafael fossem reconhecidos. “Ele não recebia os valores compatíveis, não teve recolhimento compatível, então não teve pagamento das horas extras, várias questões que não haviam sido realizadas no contrato de trabalho de Rafael. Ele vinha sofrendo assédio por sua supervisora, e por isso, Rafael solicitou uma tentativa de acordo, porque ele não queria pedir demissão e perder todos os direitos”, contou. Após a agressão, as vítimas prestaram Boletim de Ocorrência na 34ª Delegacia de Polícia Territorial. Mas continuam sendo ameaçados.
Em nota, Carlos Nunes diz que, na verdade, ele foi a vítima da advogada e do ex-funcionário. “Contesto todas as alegações caluniosas publicizadas e informo que sou totalmente contra a qualquer prática violenta e repudio qualquer tentativa de manchar a minha imagem e a de uma empresa com princípios sólidos e alicerçados na diversidade e no respeito aos direitos humanos, sobretudo das mulheres”, afirmou Nunes, em nota. Ele declarou que tomará medidas legais para provar que as acusações contra ele são infundadas e inverídicas. No texto, ele destaca que é um homem negro, nascido e criado no bairro da Liberdade e, que sempre pautou sua “história na ética e no respeito, bem como na valorização do ser humano”.
A Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Bahia (OAB-BA) se pronunciou sobre o caso. Informou que na última sexta-feira (11), foi procurada pela advogada, e que a Procuradoria Jurídica já trabalha na adoção de providências “para a apuração e penalização dos responsáveis, iniciando pela intervenção na fase de inquérito, na condição de assistente”.
A estrutura da Procuradoria de Prerrogativas da OAB-BA, bem como das comissões de Defesa da Mulher e da Mulher Advogada, com o apoio do Conselho Consultivo da Jovem Advocacia, estão trabalhando de forma conjunta, para que as sanções cabíveis sejam aplicadas aos agressores. A OAB da Bahia ainda declarou que repudia a covarde agressão à advogada Yasmin Oliveira e presta sua irrestrita solidariedade à profissional e à mulher.

Postagem Anterior Próxima Postagem