Casal é preso suspeito de agir de como 'olheiro' para assassinos de pediatra na BA

Um casal foi preso na quinta-feira (30) suspeito de agir como "olheiro" para os assassinos do pediatra Júlio César, morto dentro da clínica onde trabalhava, no município de Barra, no oeste da Bahia.
Segundo a Polícia Civil, os dois mandados de prisão temporária foram cumpridos por policiais da 14ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Irecê) e da Coordenação de Apoio Técnico à Investigação do Departamento de Polícia do Interior (Cati/Depin) da Sede e da Chapada.
De acordo com as investigações da Coorpin e da Delegacia Territorial de Barra, as duas pessoas agiram como "olheiros" para os executores do crime. A função da dupla era de informar o momento da chegada do médico na clínica e a sua entrada no consultório.
A polícia informou que durante interrogatório, os dois suspeitos admitiram que estavam na clínica para informar os passos de Júlio César. Um deles confessou que enviou uma mensagem pelo celular para o mandante do crime, avisando que o médico já estava no consultório.
Ainda segundo a Polícia Civil, o mandante do crime está foragido e continua sendo procurado. Os amigos do pediatra Júlio Cesar de Queiroz Teixeira fizeram uma homenagem para o médico na noite de quarta-feira (29), na cidade de Barra.
Um dia antes, familiares do pediatra questionaram a Polícia Civil, que informou que o caso tinha sido elucidado. O documento divulgado afirma que o crime teria sido encomendado por um homem, que seria o companheiro de uma mulher que teria sido assediada pela vítima.
Apesar das prisões do autor do crime e do cúmplice, a polícia ainda tenta encontrar o mandante do crime. Na segunda-feira (27), o suspeito de atirar contra o médico foi preso, no município de Barra. Ele foi identificado como Jefferson Ferreira. O cúmplice, que levou o atirador até a clínica, também já foi detido. O nome dele não foi divulgado.
De acordo com a polícia, a motocicleta e o capacete utilizados no dia crime foram apreendidos com o suspeito. No dia do crime, o homem entrou na clínica usando o equipamento na cabeça.

Bahia Extra

Bahia Extra Comunicação a serviço do leitor!

0 Comentarios:

Postar um comentário