Em risco: 21% dos idosos baianos não estão imunizados contra a covid-19

Mesmo com a vacina anticovid disponível em toda a Bahia, 21% dos idosos do estado ainda não tinham tomado as duas doses até o último domingo (15), não completando o esquema de imunização. São 1.299 milhão de pessoas com 60 anos ou mais que tomaram as duas doses frente a 1.637 milhão de idosos que não concluíram o processo. Os dados são do Painel Vacinação COVID-19, iniciativa do Laboratório de Estatística e Ciência de Dados da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), dentro do projeto ModCovid19.
Para piorar, 83 mil pessoas com 60 anos ou mais na Bahia não tomaram sequer a 1ª dose. Ou seja, 5% do total dessa população ou um em cada 20 idosos baianos. Dos que tomaram a 1ª dose, 16,42% não retornaram para completar o esquema, cerca de 255 mil baianos.
Professor da Ufal, o doutor Krerley Oliveira também responsável por coordenar o estudo, explicou que a estimativa populacional utilizada é a do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para 2020, disponibilizada no Ministério da Saúde através do Datasus. É daí que são coletados, também, os dados com o número de pessoas vacinadas. A equipe do projeto atualiza a base de dados pelo menos duas vezes por semana.
Os dados preocupam os cientistas, uma vez que os idosos fazem parte do grupo de risco da doença. Tanto que, no início da vacinação, em janeiro desse ano, foram os primeiros beneficiados junto com os profissionais de saúde. A prefeitura de Salvador, por exemplo, começou a vacinar os adultos de 59 anos em abril. Como os imunizantes possuem, no máximo, três meses de intervalo entre as doses, houve tempo para que todos os idosos estivessem imunizados.
“Cada pessoa que não se vacina contribui para que a doença continue existindo. Mas, no caso dos idosos, o perigo é ainda maior, pois eles têm mais chance de sentir os efeitos perversos da doença, já que são grupo de risco. Isso também vale para quem tem comorbidades. Não se vacinar, portanto, é colocar a vida em risco”, argumenta o professor Gesil Sampaio Amarante, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) e membro do Portal Geocovid MapBiomas.
“Nosso país já começa a ter problemas com a variante Delta e essas pessoas não vacinadas estão mais vulneráveis. Essa cepa, até onde mostram os estudos, pode ser barrada pelo esquema vacinal completo. No entanto, quanto mais o vírus for propagado, maior será a chance de surgir variantes, inclusive alguma que aí sim possa tornar as vacinas inúteis. Precisamos correr com a vacinação antes que isso aconteça”, defende.
A Bahia já aplicou a primeira dose do imunizante em quase 70% da sua populaçã, segundo dados da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). Até às 16h dessa quarta-feira (18), eram 7,541 milhões de pessoas com 18 anos ou mais vacinadas frente a população adulta de 11,149 milhões de habitantes.
No entanto, alguns especialistas não acham que ainda seja hora de comemorar algo. O cientista de dados Isaac Schrarstzhaupt, coordenador da Rede Análise Covid-19, explica que o correto é calcular o percentual de vacinados referente a população total daquela região, não apenas da população adulta.
“Todos contraem e transmitem (inclusive bebês). Então, não podemos deixá-los de fora da contagem, mesmo que hoje ainda não seja possível vaciná-los, pois se contraem e transmitem, fazem parte do cálculo do limiar da imunidade comunitária”, argumenta.
Levando isso em consideração e como a população baiana estimada é de 14,931 milhões de pessoas, de acordo a última projeção realizada em 2020 pelo IBGE, o percentual de baianos vacinados com a primeira dose é de 50,5%. Mas Isaac ainda pondera que a imunização só ocorre com as duas doses.

Bahia Extra

Bahia Extra Comunicação a serviço do leitor!

0 Comentarios:

Postar um comentário