Coronavac é associada à paralisia de Bell em estudo chinês

A vacina chinesa contra a covid-19 produzida pela Sinovac, a Coronavac, como é chamada no Brasil, e a do consórcio Pfizer-BioNtech podem causar paralisia facial temporária, segundo estudo feito pela Universidade de Hong Kong, na China.
Como mostra o jornal britânico The Times, em Hong Kong foram registrados 28 casos confirmados de paralisia de Bell entre 451.939 pessoas que receberam a primeira dose da Coronavac. E no caso do imunizante da Pfizer, foram 16 casos relatados em 537.205 chineses que receberam a primeira dose.
O estudo sobre a paralisia temporária causada pelas vacinas foi publicado no periódico científico The Lancet Infectious Diseases na última segunda (16).
De acordo com os cientistas, as taxas de prevalência no efeito adverso dos imunizantes é de 4,8 casos a cada 100.000 vacinados com Sinovac/Coronavac e dois casos por 100.000 com a vacina Pfizer-BioNTech.
“Nosso estudo mostra um risco geral aumentado de paralisia de Bell após a vacinação com Coronavac, mas não após a inoculação da Pfizer-BioNTech”, afirmam os autores, citados pelo The Times, que lembra ainda que são necessários novos estudos para confirmar o achado.
Claro que os benefícios da vacina desenvolvida pela Sinovac ainda superam os riscos. “A paralisia de Bell é um evento adverso raro e transitório após a imunização”, diz o estudo, citado pelo jornal britânico, acrescentando que mais de 90% dos casos apresentam melhora após nove meses de tratamento.
Conforme o The Times, a Sinovac vendeu mais de 600 milhões de doses de Coronavac para vários países. Na China, foram administradas mais de 1,8 bilhão de doses. (Isto é)

Bahia Extra

Bahia Extra Comunicação a serviço do leitor!

0 Comentarios:

Postar um comentário