Brasil vence o México nos pênaltis e vai à final para tentar o bi no futebol olímpico

Brasil e México se enfrentaram em Kashima
O sonho do bicampeonato olímpico segue vivo. Na reedição da final de Londres, em 2012, quando o México levou a melhor, desta vez a seleção brasileira conseguiu acabar com o fantasma mexicano e venceu nos pênaltis, por 4 a 1, depois de um empate sem gols no Estádio de Kashima.
Agora, o Brasil aguarda o vencedor da partida entre Espanha e Japão para saber quem irá enfrentar na final, no dia 7, sábado, às 8h30min, no Estádio de Yokohama. Já o México terá a disputa do bronze, contra o perdedor do outro confronto, às 8h da próxima sexta-feira.
O técnico André Jardine teve de fazer uma alteração na equipe que vinha sendo titular durante o torneio. Matheus Cunha não conseguiu se recuperar a tempo de uma contratura muscular na coxa esquerda e foi substituído por Paulinho, atacante do Bayer Leverkusen. Isso fez com que o time tivesse uma mudança tática, que pôde ser vista nos primeiros minutos. Richarlison foi centralizado no comando do ataque, Claudinho atuou por trás do atacante, e o camisa 7, a novidade, entrou no lado esquerdo.
Os dois times começaram buscando o jogo. O México tentava com bolas alçadas na área, e os brasileiros, com as triangulações pelos lados do campo. Foi em uma delas que Guilherme Arana quase abriu o placar aos 13 minutos do primeiro tempo. A jogada saiu do lado direito e chegou aos pés do lateral do Atlético-MG na esquerda. Ele bateu de primeira, mas a bola foi em cima de Ochoa, experiente goleiro do América-MEX.
Aos 19, a cena se repetiu, mas pela outra lateral. Claudinho inverteu o jogo para Daniel Alves, que escorou para Anthony, mas o chute do atacante do Ajax parou nas mãos do arqueiro mexicano. Três minutos depois, Ochoa salvou mais uma vez. O lateral-direito brasileiro bateu forte a falta na entrada da área, mas o goleiro salvou de novo.
Aos 27 minutos, Douglas Luiz foi derrubado por Esquível dentro da área. O juiz assinalou o pênalti, mas o lance foi revisado pelo VAR, e o árbitro voltou atrás. O México voltou a ameaçar o gol brasileiro aos 37, quando Vega bateu falta para dentro da área, e Nino teve de desviar a bola pela linha de fundo.
Os mexicanos voltaram a incomodar aos 42, quando Romo recebeu cara a cara com Santos, que conseguiu tocar a bola para a linha de fundo, salvando o Brasil de ir para o vestiário no intervalo com a desvantagem no placar. O México assustou novamente. No contra-ataque, Antuna recebeu dentro da área, mas bateu em cima do goleiro brasileiro.
Jardine voltou com a mesma equipe e com o mesmo posicionamento em campo. Aos sete, o Brasil reclamou de novo pênalti. Richarlison roubou a bola no campo de ataque, invadiu a área e caiu, mas o juiz mandou o jogador brasileiro levantar.
A seleção brasileira seguia tentando chegar ao gol de Ochoa pelos lados, mas esbarrava na retranca mexicana e na falta de velocidade na transição ofensiva. A primeira tentativa do segundo tempo foi aos 20 minutos. Anthony arrancou pelo lado direito, passou com facilidade em cima do marcador e arriscou, mas a bola parou nas mãos do goleiro.
O Brasil trocou aos 21, com a entrada de Gabriel Martinelli, do Arsenal, no lugar de Paulinho, que ficou apagado na partida. Logo na sequência, o técnico brasileiro fez mais uma mudança, com a entrada de Reinier no lugar de Claudinho.
A melhor oportunidade brasileira foi aos 36 minutos. Daniel Alves cruzou dentro da área, Richarlison subiu mais do que todo mundo e tocou de cabeça, mas a bola explodiu na trave, correu por toda a extensão da linha do gol e não entrou. Na sequência, o camisa 10 colocou de novo para o meio, mas Reinier não alcançou. Sem gols no tempo regulamentar, a partida foi para o tempo extra.
Prorrogação
Antes da volta para a prorrogação, Anthony deixou o gramado para a entrada de Malcom. Foi dos pés dele que o Brasil criou a primeira chance. Ele cruzou da direita para a área, mas, antes que Richarlison pegasse, a defesa mexicana conseguiu tirar para longe do gol de Ochoa. A partida continuou com a tônica do tempo normal, sem que as duas equipes arriscassem muito e com o jogo truncado no meio-campo.
O segundo tempo começou com uma falta cobrada por Daniel Alves muito longe do gol mexicano. Os dois times pareciam estar mais dispostos a deixarem o jogo se decidir nos pênaltis e pouco produziram em busca do gol que daria a classificação para a final olímpica. André Jardine ainda mudou mais uma vez ao tirar Douglas Luiz, pendurado com um cartão amarelo, para a entrada de Matheus Henrique, do Grêmio. No fim, a decisão seria nos pênaltis.
Nos pênaltis, o Brasil converteu com Daniel Alves, Gabriel Martinelli, Bruno Guimarães e Reinier, todas as cobranças. O México errou com Aguirre e Vásquez, garantindo a classificação brasileira para mais uma final olímpica.

Bahia Extra

Bahia Extra Comunicação a serviço do leitor!

0 Comentarios:

Postar um comentário