Mulheres achadas mortas em Simões Filho são identificadas; polícia apura relação na morte de criança na BA


A polícia identificou as duas mulheres encontradas mortas em Simões Filho, região metropolitana de Salvador, na manhã desta terça-feira (20). De acordo com a Polícia Civil, as vítimas são Cássia Gonçalves, de 61 anos, e a filha dela, Uelma Gonçalves da Cruz, de 38 anos.
Ainda de acordo com a polícia, a Delegacia de Homicídios de Salvador vai investigar a possível participação das duas na morte do garoto Luiz Fernando Góes Nogueira, de 3 anos. Ele foi encontrado sem vida dentro de uma casa, no bairro de Nova Brasília de Valéria, na noite de segunda-feira (19).
Os corpos de mãe e filha foram encontrados na região do CIA. As duas apresentavam marcas de agressão e estavam sem identificação formal. Testemunhas relatam que a suspeita é que as duas tenham sido mortas por traficantes, porém, a polícia não confirma o caso.
O caso é acompanhado pela 22ª Delegacia de Simões Filho, que vai apurar a motivação e autoria do crime. Até as 19h, os corpos aguardavam liberação no Instituto Médico Legal. (IML).
A polícia vai investigar se as duas mulheres possuem envolvimento na morte do garoto de 3 anos, em Salvador. De acordo com a mãe do menino, Daniela Góes, Luiz Fernando estava, junto a ela, na porta de casa, brincando com o filho de uma vizinha, de sete anos. Daniela entrou em casa para ir ao banheiro e quando voltou, não encontrou mais o filho.

"Deixei ele brincando. 
Ele a irmã e esse menino. Eu disse que voltava para pegar, na frente da casa dela. Quando voltei, ele não estava mais lá. Fui na casa do menino imediatamente e ela [a suspeita] já estava com tudo fechado, dizendo que tinha colocado o menino para entrar", disse.
Conforme Daniela, acompanhado da mãe, o filho da vizinha com quem Luiz Fernando brincava teria dito que o menino havia saído com outra criança. A mãe conta que imediatamente começou a procurar por ele, desesperada, com ajuda de outras pessoas que moram na região.
Daniela relata ainda que, por volta de 1h30, retornou à casa da vizinha com uma colega, que viu, por um buraco na parede, que a mulher mexia em um saco de linhagem. Elas insistiram para entrar no imóvel e quando entraram, Daniela achou o filho debaixo de uma mesa, dentro da embalagem.
Com ajuda de um vizinho, ela levou o filho para a UPA do bairro de Valéria, mas ele já chegou sem vida. Segundo a equipe médica, o corpo apresentava hematomas na cabeça e sinais de estrangulamento.
Até as 19h desta terça, o corpo do garoto aguardava a retirada da família, no Instituto Médico Legal (IML). A previsão é de que o enterro seja feito na quarta-feira (21). O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios.
“Ele era um menino alegre, bastante alegre. Não tinha maldade nenhuma com ninguém, não sei como uma mulher teve capacidade de fazer isso”, lamenta o avô do menino, Edmilson Goés.
O imóvel onde a criança foi encontrada morta ficou destruído após ser atingido por um incêndio, no início da tarde desta terça, em Nova Brasília de Valéria. O local pertence às duas mulheres encontradas mortas.
Por causa das chamas, o telhado caiu e os móveis ficaram queimados. Não há registro de feridos. Ainda não há informações sobre as causas do incêndio. O Corpo de Bombeiros informou que não foi acionado para atender a ocorrência.

Bahia Extra

Bahia Extra Comunicação a serviço do leitor!

0 Comentarios:

Postar um comentário