Presidente do PV critica decisão do Exército e diz que Brasil precisa "furiosamente" de 3ª via

José Luiz Penna cita manifesto divulgado em março por presidenciáveis e defende "um movimento ainda mais amplo" em defesa da democracia

O presidente do PV, José Luiz Penna, disse a O Antagonista que a decisão do Exército de não punir Eduardo Pazuello pela participação em ato político com Jair Bolsonaro é “um sinal muito ruim”.
“Neste momento, temos, de fato, alguma insegurança em relação à democracia. É um sinal muito ruim o que foi feito [a decisão do Exército], uma coisa muito difícil.”

Penna defendeu a construção da tal terceira via para a corrida presidencial de 2022.

“As coisas vão se afunilando e nós precisamos furiosamente de uma terceira via. Os partidos precisam fazer alguns movimentos, precisam, primeiro, de uma união em defesa das eleições e da democracia.”
O presidente partidário citou um manifesto divulgado no fim de março por seis presidenciáveis e falou que agora é hora de “um movimento ainda mais amplo”, porque “vão se quebrando as institucionalidades”.

Perguntamos a Penna qual o nome da terceira via.

“O problema é que existem muitos nomes”, respondeu ele, citando Luiz Henrique Mandetta, Ciro Gomes, Luciano Huck e João Doria.
Quisemos saber do presidente do PV se não há o risco de Lula virar o nome do tal “polo democrático”. Penna evitou descartar por completo eventual apoio ao ex-presidiário em algum momento.
“As eleições em dois turnos são eleições muito curiosas… O PV não descarta a possibilidade de lançar candidatura própria. Mas estamos trabalhando para fazer uma terceira via, por enquanto.”
Notíc
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário