OS DESAFIOS DE MINISTRAR AULAS EM ESCOLAS PÚBLICAS NA PANDEMIA

Aulas virtuais são um desafio para as famílias carentes

Por: Ailton Silva

Nos quase 30 anos como professora de Matemática, Cristina Ramos acostumou-se com escolas cheias e entra e sai de alunos nas salas. Conversas nos corredores no intervalo, abraços apertados de agradecimento de quem se esforça para não só obter a aprovação de ano, mas aprender o conteúdo. Mas a professora e centenas de colegas passaram a viver uma nova experiência desde março do ano passado.
Por causa da pandemia do novo coronavírus, o ano letivo de 2020 seguiu, mas com aplicação de atividades e troca de informações em grupos de aplicativo. Em 2021, foram acrescentadas as aulas virtuais, com uso de uma plataforma do Google. Por isso, a professora Cristina Ramos e os demais colegas da rede municipal de educação de Itajuípe, no sul da Bahia, precisaram recorrer à tecnologia para que milhares de estudantes não perdessem às aulas.
Professora Cristina Ramos fala dos desafios e da emoção das aulas virtuais

Um desafio a mais para aqueles educadores que estavam acostumados com as ferramentas tradicionais e gostam do contato diário com os alunos. “Gosto e estou acostumada a aula presencial. Sou uma professora de contato e conversa com alunos, brincar e resolver problemas com eles. De repente, vi-me nessa situação. Foi um grande desafio, pois não sabia como usar as novas ferramentas. Percebi que muitos alunos dominavam a tecnologia mais que eu. Então, houve essa troca rica e me adaptei”.

DUALIDADE DE SENTIMENTOS

Cristina se preparando para mais um dia de aula

A educadora relata que hoje vive uma dualidade de sentimentos. “Estou triste porque sei que o ensino não é do mesmo nível do presencial, mas estou feliz porque muitos alunos estão assistindo às aulas, fazendo questionamentos. Cada dia tem sido um grande desafio”.
Cristina torce pelo retorno das aulas presenciais o mais breve possível. Estou na esperança que possamos ter logo, pelo menos, aulas híbridas (presencial e virtual) porque, às vezes, fico triste por ver somente os rostos deles na tela. Quando estou na escola, na sala de aula, sinto-me com se estivesse dando aula presencial para eles. Fico mais entusiasmada. Eu amo ser educadora e amo meus alunos”.
A professora Daniela Pereira Barbosa atua há 25 anos como educadora da rede municipal de Itajuípe e há quatro anos é coordenadora pedagógica da Escola Dr. Pedro Catalão, no centro da cidade. Ela explica que os desafios têm sido enormes, principalmente para atender aqueles alunos sem acesso a telefone e internet. “Por isso, tem sido um ano letivo com muito trabalho e desafiador”, conta Daniela Barbosa.

PREOCUPAÇÃO COM O PRÓXIMO

A educadora explica que a proposta de aulas virtuais foi apresentada e aprovada pelos pais antes do início do ano letivo, que começou em 10 de maio. “Treinamos os professores para o uso das novas ferramentas e reduzimos o tempo de aulas para não cansar os nossos estudantes. E estamos caminhando com uma grande contribuição dos professores que comparam a ideia. Os pais estão empolgados”.
Algumas situações, revela Daniela, têm emocionado os professores. Ela cita as situações dos irmãos Ana Clara e Alex, que assistem às aulas debaixo de pés de cacau, na beira de uma estrada vicinal, na zona rural; e da mãe de uma criança que a consultou sobre a possibilidade da coleguinha da filha acompanhar às aulas na casa dela. “Porque a coleguinha não tinha nem internet nem celular. Eu respondi: queria que muitos pais tivessem uma atitude linda daquela. A questão da solidariedade, da acolhida, preocupação com o próximo”, afirma.

DIFICULDADES DE ACESSO À TECNOLOGIA

A educadora observa, no entanto, que nem todas as histórias são marcadas pela empatia e com alternativas para que as crianças não fiquem sem estudar. “Ficamos tristes quando os pais informam que não têm como seus filhos assistirem às aulas porque não possuem celular nem acesso à internet”, diz. “Mas a escola não abandonará esses alunos. Estamos fazendo a proposta de entrega das atividades para tenham o conhecimento também. Foi instalado um laboratório de informática para eles acessem, mas desistimos da ideia por causa da questão sanitária”.
Professora Renaildes Pita da Silva ministra aulas para estudantes da Escola DR. Pedro Catalão, em Itajuípe

Já a secretária de Educação de Itajuípe, Maria de Lourdes Santana, afirma que o município tem feito todo o esforço para que os estudantes não sejam ainda mais prejudicados por causa da pandemia do novo coronavírus. De acordo com Maria de Lourdes, o aluno que não tem acesso à tecnologia recebe todo o material didático impresso a cada 15 dias e tira dúvidas com o professor, assim como a maioria dos municípios.
A rede municipal de ensino de Itajuípe tem 3.800 alunos matriculados em 32 escolas, 17 delas na zona rural, que atendem 230 estudantes. “Estamos vivendo um grande desafio e estamos atravessando esse momento difícil com a contribuição e esforço de todos, inclusive dos pais, que estão tendo uma participação maior”, relata. Além das atividades didáticas, os alunos recebem kits alimentação do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae). Itajuípe é um dos poucos municípios baianos com aulas virtuais.

Bahia Extra

Bahia Extra Comunicação a serviço do leitor!

0 Comentarios:

Postar um comentário