Bolsonaro se irritou e reclamou de ter sido chamado de genocida, diz prefeito de Guaratinguetá

O prefeito de Guaratinguetá (SP), Marcus Soliva (PSC), que recebeu Jair Bolsonaro e esteve ao seu lado durante mais um ataque de fúria contra uma jornalista na segunda (21), diz que o presidente mostrou-se irritado desde o início da visita porque foi chamado de “genocida” por manifestantes logo que desceu do carro.
O xingamento remete às falhas de Bolsonaro na condução da pandemia no Brasil, investigadas na CPI da Covid, e foi bastante repetido no sábado (19), durante os atos críticos a ele espalhados pelo país.
“Ele veio fazer essa visita técnica ao hospital de campanha, uma UPA nível 3, e quando desceu do veículo já tinha algumas pessoas, aquela torcida a favor e contra, o pessoal pró-Bolsonaro e a turma que é contra, e começaram a gritar palavras ofensivas ao presidente e ele já se irritou ali, já entrou irritado”, diz Soliva.
“Ele acabou se irritando, ficou mais irritado, e até houve uma situação constrangedora perto das pessoas que lá estavam. Mas isso aí a gente já sabe o temperamento do presidente, ele fica nervoso, irritado, e acaba até exagerando nas palavras”, continua.
De acordo com o prefeito, Bolsonaro reclamou por ter sido ofendido, em sua visão por causa de política, enquanto investe muito em saúde, e citou valores colocados na Santa Casa de Guaratinguetá, R$ 15 milhões.
Soliva aparece ao lado do presidente enquanto ele manda a repórter calar a boca, diz que a Globo é uma merda e tira a máscara do rosto para afrontá-la.
O prefeito afirma que a cidade foi a primeira do estado a implementar o uso obrigatório de máscara e não será a primeira a aboli-la, mas que não multará Bolsonaro.
Soliva diz acreditar que o presidente tirou a proteção por irritação e logo colocou de volta, e acrescenta que não estão autuando as pessoas em Guaratinguetá, mas instruindo a usar máscaras.
Sobre o ataque, o prefeito diz que o presidente da República é dono dos seus atos, mas que a vontade era de pedir calma a ele. “Mas é a personalidade dele, é difícil acalmar uma pessoa irritada”, completa.
“Ele estava alterado no posicionamento dele e acabou realmente criando essa situação que virou um bate-boca de a reportagem não ter focado no motivo da visita dele ali”, afirma Soliva.
Por fim, o prefeito diz que não tem do que reclamar em relação à ajuda do governo federal no enfrentamento à pandemia. “O que a gente vem recebendo tem nos dado condição de atender a população da melhor forma. Os dois governos, tanto federal como estadual, têm contribuído”, conclui.

Painel/Folhapress

Bahia Extra

Bahia Extra Comunicação a serviço do leitor!

0 Comentarios:

Postar um comentário