Bolsonaro ataca STF, chama Doria de “patife” e diz que “canalhas” querem interromper tratamento precoce contra a Covid

O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a atacar o Supremo Tribunal Federal (STF) na manhã de ontem (10). Em live nas redes sociais, Bolsonaro criticou os “superpoderes” dados pela Corte a governadores e prefeitos.
“Lamento os superpoderes que o STF deu a governadores e prefeitos para fechar até igrejas. Não vale mais o artigo 5º da Constituição. Vale o decreto do prefeito. Isso é o absurdo dos absurdos”, analisou. Essa semana, a Corte decidiu que o poder público pode determinar o fechamento de igrejas e demais templos religiosos em todo o país em razão da pandemia de covid-19. Os magistrados entenderam que é constitucional um decreto do governador de São Paulo, João Dória, que determinou o fechamento dos centros religiosos para evitar aglomerações.
O chefe do Palácio do Planalto mirou críticas também ao governador de São Paulo, que ele classificou como “patife”. “É difícil viver num país onde um governador, como o de São Paulo, por um decreto qualquer, fecha tudo. Quase metade do comércio de São Paulo está à venda ou aluga o ponto. Parece que esses caras querem, como esse patife de São Paulo, quebrar o estado, quebrar o Brasil para me culpar. É coisa de patife”, afirmou.
Bolsonaro voltou a defender o tratamento precoce contra o coronavírus. Ele disse que quem combate a administração de remédios sem comprovação científica é “canalha”. “O tratamento imediato é combatido por canalhas, que criticam mas não apontam nada. Sabemos que não tem remédio com comprovação científica ainda, mas tem alguns que a observação aponta que é válido. Esse canalha, se não tem remédio para indicar, cala a boca. Deixa o médico trabalhar”, vociferou.
Ao lado de imigrantes da Venezuela, o presidente criticou o regime do país. De acordo com ele, os ex-presidentes Lula e Dilma sempre apoiaram o regime ditatorial de Maduro.

Alexandre Galvão
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário