Preso acusado de tentar matar vereadora; suplente está foragido

Policiais civis realizaram operação na segunda-feira (08), em Itapebi, para prender o suplente de vereador suspeito de tentar matar a titular do cargo para ficar com a vaga. Cristiano Pereira da Silva (PRTB), 40 anos, não foi encontrado durante a ação de cumprimento de mandados judiciais de prisão e de busca e apreensão, e já é considerado foragido.
Na mesma ação, a polícia prendeu o sobrinho dele, Gidevan Oliveira da Silva, 21 anos, que também teve a prisão decretada. Segundo o delegado Moisés Damasceno, as investigações mostram que foi ele quem tentou assassinar a vereadora, a mando do tio, mas a arma falhou.
Antes que a polícia entrasse em sua casa, na Cidade Baixa, Gidevan se livrou de algumas provas. “Ele quebrou o celular, quando a polícia batia na porta. No aparelho poderia haver provas. Mas há outras provas, que estamos colhendo e, dentro em breve, devemos concluir o inquérito”, disse o delegado.
A polícia também encontrou indícios de que, antes de fugir, o suplente de vereador retirou duas armas que estavam escondidas em sua casa. “Ao chegar ao local, não encontramos o suplente, apenas indícios de que ele estivesse tirado algo de um alçapão no forro. Tínhamos informações que ele guardava uma espingarda calibre 12 e uma pistola 380 no local, que, infelizmente, podem ter sido retiradas antes que a gente chegasse”, afirma o delegado.
A pistola 380 seria a mesma que o vereador atirou acidentalmente na perna do filho pequeno, em 2019, enquanto discutia a mulher.

O ATENTADO

Em 5 de fevereiro, a vereadora Veronice Romana dos Santos (Podemos), 52 anos, chegava de uma caminhada matinal quando foi abordada por dois homens, que estavam em um carro. Um deles acionou o gatilho diversas vezes, mas a arma não disparou. “Câmeras de segurança mostram que, logo em seguida, eles fugiram em alta velocidade. O carro foi encontrado abandonado, dias depois, na zona rural do município”, informa Damasceno.
Na mesma época, a Polícia Civil também cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do suplente. Ele não foi encontrado no local.
Os mandados de prisão temporária foram expedidos pelo juiz Otaviano Andrade, da Vara do Júri e Execuções Penais da Comarca e têm duração de 30 dias, mas podem ser convertidas em preventivas. As informações são do Radar64
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário