MÃE DE BOLSONARO RECEBE SEGUNDA DOSE DA “VACINA CHINESA DO DÓRIA”

 
Dona Olinda na cerimônia de posse do filho

Olinda Bunturi Bolsonaro, de 93 anos, recebeu hoje (8) a segunda dose da vacina contra a Covid-19, na sua própria casa, em Eldorado, município onde nasceu o filho mais ilustre da nonagenária, o presidente Jair Messias Bolsonaro (sem partido).
A imunização de Dona Olinda e de outros milhões de brasileiros se deve em grande parte ao esforço do Governo de São Paulo que, por meio do Instituto Butantan, firmou parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, fabricante da CoronaVac.
Até o momento, num conjunto de aproximadamente 7,6 milhões de pessoas vacinadas no Brasil, quatro a cada cinco delas receberam o imunizante chinês. Com 3,6% da população vacinada – considerando a primeira dose-, o Brasil é o 40º colocado num ranking com 92 países. O país estaria no 62º lugar sem a CoronaVac, dependendo apenas da vacina AstraZeneca/Oxford. Os dados são do professor Thomas Conti, pesquisador e docente do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) e do Instituto Brasileiro de Ensino, Desenvolvimento e Pesquisa.
O predomínio da CoronaVac no Plano Nacional de Imunização (PNI) contraria o presidente Jair Bolsonaro, que desdenhou do imunizante por causa da origem chinesa.
Por causa da sua disputa política com o governador de São Paulo, o presidenciável João Dória Junior (PSDB), Bolsonaro disse que o Ministério da Saúde não compraria a “vacina chinesa do Dória”. Estávamos em outubro de 2020. A declaração do presidente desautorizava, de forma pública, o acordo anunciado horas antes pelo ministro Eduardo Pazuello.
Para a sorte e a saúde de Dona Olinda, a vacina chinesa chegou para pequena parte dos grupos mais vulneráveis ao coronavírus.a
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário