Chamusca vê Botafogo prejudicado por pênalti não marcado contra o Flamengo: ‘O árbitro interferiu’

Marcelo Chamusca reconhece: o Botafogo ficou devendo na derrota para o Flamengo, nesta quarta-feira, pela 4ª rodada do Campeonato Carioca, no Estádio Nilton Santos. Após a partida, o treinador analisou, em entrevista coletiva, a atuação do Alvinegro.
– Primeiro tempo enfrentamos uma equipe muito qualificada, essa conversa de reserva não tem muita base, todos os jogadores têm condição de ser titulares. Tirando o Bruno Viana e Hugo Moura, todos estavam no clube, têm mecânica e entendimento de jogo. O Flamengo é líder por mérito dos jogadores e isso fez com que tivéssemos muita dificuldade para enfrentar – afirmou.
O treinador reconheceu que o Botafogo melhorou no segundo tempo, mas afirma que a equipe foi prejudicada em dois lances seguidos: primeiro, em um possível lance de pênalti em cima de Matheus Babi com Renê. Depois, na sequência, na expulsão de Kanu, logo no contra-ataque.
– No segundo tempo, conseguimos igualar o jogo, tivemos duas oportunidades. Aí entra um lance, que foi capital para a definição do jogo: em um cruzamento, o Babi gira e o Renê em nenhum momento toca na bola, toca nele e o pênalti não foi marcado. Na sequência da jogada, o Kanu foi expulso. Fomos muito prejudicados. O Flamengo foi superior ao Botafogo durante boa parte do jogo, criou um número maior de finalizações, mas o árbitro interferiu no resultado do jogo. Teríamos um pênalti e fomos prejudicado. No segundo gol, o árbitro atrapalha o nosso atleta, passando na frente – completou o treinador.

Partida

– O jogo nos traz uma série de análises e avaliações que vão ser importantes para a equipe. Hoje, eu tive que segurar alguns jogadores porque ainda não estão nas melhores condições de jogo. Quando você enfrenta um adversário qualificado tecnicamente, exacerba um pouco mais as dificuldades. É importante passar por esses momentos até por maturidade.

Linha de zagueiros

– Nós tínhamos quatro opções para o setor, os dois que iniciaram jogando, Gilvan e o Ewerton, que nem jogou ainda no profissional, estamos trazendo para treinar porque tem qualidade. Com a ausência do Sousa e a não regularização do Carli, temos poucas opções para o setor. Não gosto de ficar individualizando, porque no futebol a maioria das coisas que acontecem são coletivas. A partir de amanhã vamos ver, com calma, definindo essa situação.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário