Após transferência, quatro juízes do DF podem receber as ações contra Lula

A Justiça Federal no Paraná informou na quarta-feira (10) que a transferência das quatros ações penais da Operação Lava Jato contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para o Distrito Federal será realizada em meio virtual.
Como os sistemas operados nas duas localidades são incompatíveis, a assessoria da 13ª Vara Federal de Curitiba precisou baixar antes os arquivos para fazer a remessa. Não foi divulgada a previsão de quando a tarefa será concluída.
Assim que chegarem à capital federal, de forma automática e aleatória pelo computador, os processos serão distribuídos. Quatro juízes federais estão na lista dos que podem herdá-los.
Na última segunda-feira (8), o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), determinou a anulação de todas as condenações proferidas na Lava Jato curitibana contra o ex-presidente.
Lula foi condenado em duas ações penais, por corrupção e lavagem de dinheiro, nos casos conhecidos do tríplex de Guarujá (SP) e do sítio de Atibaia (SP).
Fachin afirmou que os processos não poderiam ter sido conduzidos pela vara responsável pela operação, cujo titular até 2018 foi o ex-juiz Sergio Moro. E ordenou que os casos sejam reiniciados no DF.
A determinação do ministro ainda será submetida ao crivo do plenário do STF, mas seus efeitos seguem valendo. Auxiliares do procurador-geral da República, Augusto Aras, informaram que o Ministério Público Federal pretende recorrer.
Em Brasília, Lula enfrenta outras ações penais. Elas tramitam em duas varas federais especializadas em crimes do colarinho branco, a 10ª e a 12ª.
Elas são o destino dos processos de Curitiba afetados pela decisão de Fachin.
Dos 4 juízes federais que nelas atuam, 3 deles já foram ou são responsáveis por processos envolvendo o petista.
No histórico dos processos sob a responsabilidade da trinca de magistrados, há tanto decisões que beneficiaram Lula como despachos desfavoráveis a ele.
Até aqui, no entanto, a defesa do petista contabiliza saldo positivo. O ex-presidente foi inocentado nas duas ações penais que tiveram um desfecho.
Denunciados pela PGR (Procuradoria-Geral da República) na Lava Jato por organização criminosa, no caso conhecido como “quadrilhão do PT”, Lula e outros petistas, entre eles a ex-presidente Dilma Rousseff, foram inocentados em 2019.
Este caso ficou sob a responsabilidade do juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, titular da 12ª Vara Federal. Do grupo dos mais experientes integrantes da Justiça Federal no DF, Bastos é apontado como juiz de tendência garantista, contrário a teses acusatórias.
No início do ano, ele anulou provas da Lava Jato em um caso relacionado à Odebrecht e à suspeita de repasse de propina aos ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega, titulares da Fazenda nos governos petistas.
Na 12ª Vara atua também, como substituta, a juíza Pollyanna Kelly Alves.
Ela é apontada por procuradores e advogados como uma magistrada firme na aplicação da lei.
A juíza assinou moção de apoio ao ex-juiz Sergio Moro após a Vaza Jato, como ficou conhecido o caso das mensagens vazadas de integrantes da força-tarefa da Lava Jato.

Pollyanna Kelly é responsável por casos de corrupção, como o inquérito fruto da Lava Jato destinado a apurar o desvio de recursos do Estádio Mané Garrincha, em Brasília.
Lula também foi inocentado na capital do país da acusação de obstruir o trabalho do MPF, segundo denunciou o ex-senador e delator Delcídio do Amaral.
De acordo com Delcídio, o ex-presidente tentou impedir que o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró firmasse acordo de colaboração com a Procuradoria.
O caso ficou sob a responsabilidade do juiz Ricardo Leite, substituto da 10ª Vara Federal. Leite é tido no meio jurídico como um juiz de perfil moderado. E, assim como a colega Pollyanna Kelly, assinou a moção de apoio a Moro.
No auge das investigações contra o ex-presidente, na mesma investigação relacionada a Cerveró, Leite suspendeu temporariamente as atividades do Instituto Lula.
Em 2018, o magistrado determinou a apreensão do passaporte do petista, o que o impediu de viajar para a Etiópia, na África, onde participaria de uma reunião da FAO (braço da ONU para a alimentação e agricultura).
Ao lado de Leite na 10ª Vara, atua o titular Vallisney de Oliveira, apontado como “linha-dura” e responsável por vários casos envolvendo Lula, desdobramentos da Lava Jato e também da Zelotes, que investigou a ação de uma quadrilha no Carf (Conselho de Administração de Recursos Fiscais), órgão colegiado do Ministério da Economia.
A partir da Zelotes, Vallisney recebeu denúncias do MPF contra Lula sob a acusação de crimes como corrupção passiva e lavagem de dinheiro, envolvendo, numa delas, a edição de medida provisória que beneficiou montadoras de veículos e, em outra, a negociação de caças suecos para a FAB (Força Aérea Brasileira).
Na Lava Jato, Vallisney transformou Lula em réu por corrupção passiva, tráfico de influência e lavagem de dinheiro envolvendo obras da Odebrecht em Angola.
Uma das discussões jurídicas decorrentes da decisão de Fachin é se os atos processuais realizados durante a condução de Moro seguem válidos.
Como o processo será reiniciado pela Justiça Federal do DF, caberá ao juiz competente decidir se elas serão ou não aproveitadas.
Uma segunda questão jurídica se refere à prescrição dos casos. Em tese, os crimes de corrupção investigados na Lava Jato prescrevem em até 20 anos.
A lei diz que esse prazo deve ser contado pela metade para os réus que têm mais de 70 anos. Lula já tem 75 anos de idade, e o período prescricional para ele é de dez anos nos casos em que ele é acusado de corrupção passiva.
Entre as preocupações dos investigadores da Lava Jato com a transferência dos processos ordenada por Fachin, está o fato de que em Brasília não há mesma sintonia entre a primeira e a segunda instâncias da Justiça Federal.
Tal sintonia é apontada como uma das razões do sucesso da Lava Jato.

As informações são da FolhaPress
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário