Que tal esperar um pouco mais?


No início de 2020 o que parecia ser filme com clichê hollywoodiano caiu de paraquedas em nossos colos e fomos ‘obrigados’ a nos isolar em casa – mantendo distanciamento social – em um processo de quarentena sem data para acabar.
Tudo foi muito rápido e incerto para todos. O mundo parou e máscara e álcool gel viraram itens obrigatórios do nosso dia a dia. Me deparei com barreiras e barricadas nos vários pontos que dão acesso à nossa cidade e por vezes caminhei pela BR-415 sem a presença de veículos e pessoas. Comecei a entender quanta falta faz a presença humana em nossa vida.
Os meses passaram e o mundo aprendeu – ou está aprendendo – a conviver com esse vírus. Milhares de pessoas morreram e a sociedade científica mundial, amparada pelas nações ricas, se dedicaram dia e noite em busca de uma vacina para combater o Covid-19. Acho que nunca, em toda a minha vida, eu repeti tanto duas palavras: Coronavírus e Covid-19.
Passamos por uma onda (o que já era esperado) e quando os números de mortos foram diminuindo as pessoas voltaram às ruas, praias, shoppings e festas particulares. As comemorações de final de ano e os encontros familiares voltaram a acontecer – e o que os especialistas previam com a chegada do Natal aconteceu: a segunda onda veio mais forte.
O ano de 2020 passou sem motivo para comemorar e a chegada do novo ano veio com diversas vacinas. Iniciamos 2021 com ‘uma ou duas doses’ de esperança e agora falta pouco (muito pouco!), mas ainda não acabou. Precisamos nos cuidar, continuar usando máscara, álcool gel e mantendo o distanciamento social, pois o processo de vacinação é lento e ainda não existe vacina pronta para todo mundo.
Outro dia li uma postagem no Facebook onde dizia que o cigarro matou mais que o Covid em 2020 e ninguém falou nada a respeito. Eu particularmente achei uma comparação no mínimo estranha. Não podemos comparar o tabaco, que para muitos é estilo e opção de vida, onde o indivíduo escolhe fumar e tem uma carência de 25 a 30 anos, até adquirir um câncer de pulmão e morrer, com um vírus que você não escolhe pegar e quando pega a sua vida pode ser resumida a 25/30 dias.
As redes sociais têm ‘bombado’ nos últimos meses dizendo o que você deve fazer, tomar, usar ou não usar; e agora, com a chegada das vacinas, qual a melhor e quando tomar.
Vejo nessa ‘guerra de postagens’ muitos doutores formados pela “Universidade do Facebook” com PHD pela “Universidade do Google” que discordam de institutos como o Butantan e a Fundação Osvaldo Cruz. Vale salientar que os dois têm 120 anos de história e credibilidade nacional e internacional.
Acho que o momento agora é de tentar unir em um único propósito: se manter vivo! Para isso é preciso ouvir quem tem autoridade no assunto, nesse caso é bom ouvir Órgãos e profissionais de Saúde, Sociedade Científica Internacional, e quando buscar informação na internet é importante ler artigos científicos publicados em veículos (sites) de informação com credibilidade comprovada. É insano ouvir e concordar com algo dito por alguém que ainda acha que a Terra é plana.
O que precisamos agora é de um pouco mais de paciência, pois a vacinação já iniciou e a cada dia mais vacinas chegam e mais pessoas são imunizadas no Brasil e no mundo. Em breve e com fé em Deus – volto a dizer que sou Cristão – essa pandemia será coisa do passado e aí sim poderemos voltar a dar um grande abraço nas pessoas que amamos. Mas para que isso aconteça, QUE TAL ESPERARMOS UM POUCO MAIS?

Arnold Coelho
Esperando, sem pressa...
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário