A PRIMEIRA ENTREVISTA A GENTE NUNCA ESQUECE

Ramiro Aquino
Como a porta estava entreaberta, ouvi a voz inconfundível de Pelé: “Deixe o menino entrar, eu dou a entrevista…”. Entrevistei o Rei durante 15 minutos e ainda de quebra ouvi Haroldo e Lima.
Devia ter um ano de rádio quando o Santos Futebol Clube, o inigualável Santos de Pelé, veio pela primeira vez a Ilhéus. Corria o ano de 1964, salvo engano, e o timaço do Santos jogaria contra a Seleção local, soube mais tarde reforçada pelo excelente goleiro Betinho, do Janízaros, de Itabuna. A delegação do Santos vinha de Belém, a capital do Pará, e viajaria para o exterior em duas ou três semanas.
Pelé chega ao Estádio Mário Pessoa em ônibus da velha Sulba

Cabe aqui um retrocesso nesse caso, pois o goleiro Betinho jogaria na véspera contra o Grêmio Esportivo pelo Campeonato amador de Itabuna na velha e acabada (sempre foi) Desportiva. E foi Pelé quem pediu a presença de Betinho, pois ele já sabia da fama do jogador.
Não existia ainda a ponte Ilhéus-Pontal e os moradores do bairro do Pontal, veranistas e passageiros do aeroporto, eram transportados nas pequenas lanchas e desembarcavam bem defronte ao Ilhéus Hotel, de Jocelin, amigo velho de meu pai.
O Betinho era irresponsável (disse “era” porque ele já morreu) e jogou a partida toda do sábado contra o Grêmio, mesmo depois de ter rasgado a mão, em lance fortuito. Mas, mesmo assim, confirmou a presença no jogo contra o Santos.
Apesar de novo no rádio o Geraldo Santos, meu narrador e meu chefe, me escalou para cobrir o Santos. Cheguei a Ilhéus duas horas antes e revi alguns companheiros de Salvador e de Ilhéus. E aí…
Chegou o Santos na lancha e não vi o Pelé. Lá estavam os outros jogadores do time santista, como Peixinho, Mengálvio, Pepe e os menos votados. Como era perto da hora do almoço, todos se dirigiram para o restaurante do Ilhéus Hotel, e lá estavam as aparelhagens das rádios de Salvador e Ilhéus. Vi ali Nílton Nogueira, que já conhecia, o ilheense Djalma Costa Lino, acoplado ao irmão Fernando, que por permanecer na terra levava alguma vantagem.
Entrevistei Peixinho, Pepe, etc. E vi também um técnico de som meu conhecido de uma rádio de Ilhéus, Nivaldo, que foi a minha salvação.
Ele conhecia todos os investigadores de Polícia da cidade e disse ter visto Pelé, Haroldo e Lima subirem direto para os aposentos onde iam ficar no mesmo quarto. Conversou com dois amigos da polícia e estes deixaram nós subirmos. O mais difícil estava na porta do quarto. Dois “guarda-roupas” guardavam Pelé e Cia. Conversei com eles, que tinha menos de 9 meses e era novo no rádio, disse ter viajado 300 kms (aumentei somente uma “pequena porcentagem”) só para entrevistar o Rei. Como a porta estava entreaberta, ouvi a voz inconfundível de Pelé: “Deixe o menino entrar, eu dou a entrevista…”. Entrevistei o Rei durante 15 minutos e ainda de quebra ouvi Haroldo e Lima.
Desci ao restaurante e encontrei todos os radialistas atrás de uma entrevista com Pelé. Como eram de Salvador e Ilhéus passei para eles sob a condição ser citado e em que condições eu consegui a entrevista.
Entrei no carro e voltei rapidamente para Itabuna. Até hoje, com menos qualidade, guardo essa entrevista. A primeira boa entrevista a gente não esquece.

Ramiro Aquino é radialista, jornalista e cerimonialista.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário