Um ano após morte de mulher carbonizada dentro de carro, suspeito segue foragido

A morte da empreendedora Ludmila Aragão Campos, de 41 anos, completa um ano neste mês de janeiro e o companheiro dela, Charles Adamo Jesus de Araújo, suspeito do crime, ainda não foi preso, segundo informações da família da vítima e da Polícia Civil.
O corpo de Ludmila foi encontrado carbonizado dentro de um carro em São Sebastião do Passé, cidade da região metropolitana de Salvador, no dia 28 de janeiro de 2020. No entanto, a empreendedora, que tinha acabado de se mudar de Salvador para a Ilha de Itaparica com o objetivo de realizar o sonho de ter um restaurante, desapareceu um dia antes, em 27 de janeiro.
Um ano após o crime, o G1 conversou com uma tia de Ludmila, que revelou toda a angústia e sofrimento da família pela dor da perda e impunidade do suspeito. "Uma dor muito grande em saber que perdemos uma pessoa muito querida, filha única, a qual a mãe continua ainda muito abalada", detalha Tereza Aragão, tia de Ludmila.
Segundo Tereza, a mãe de Ludmila, que tem 65 anos, toma calmantes até hoje para lidar com a o assassinato da filha. Segundo detalha a tia de Ludmila, um dos momentos mais dolorosos para a família da vítima foi quando Charles Adamo Jesus de Araújo foi liberado da delegacia após prestar depoimento sobre o caso. "A dor de ter visto ele sendo liberado foi muito grande. Alegaram [polícia] que não podiam prender, porque não foi em flagrante, como se testemunha e câmeras da rua não fossem suficientes. Muito revoltante para todos nós", relatou a tia da vítima.
Tereza de Aragão ainda conta que a demora na resolução do crime deixa a família com a sensação de impunidade e isso causa mais dor à família. "Sentimos uma grande aflição desse sujeito ainda estar solto e nós sem justiça", falou.
Por meio de nota, a Polícia Civil informou que "o procedimento já foi concluído e remetido ao Ministério Público (MP-BA), em abril de 2020, com indiciamento e pedido de prisão do companheiro pelo crime". A polícia também disse que Charles Adamo Jesus é procurado e considerado foragido da Justiça.
O MP-BA informou que acompanha o andamento do inquérito policial, mas segundo o órgão estadual, ele ainda não foi concluído. De acordo com o MP-BA, "assim que o inquérito for encaminhado, será avaliado para retomar as medidas cabíveis".
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário