Prefeitos da Grande SP rejeitam seguir Covas e reajustar o próprio salário

A decisão do prefeito Bruno Covas (PSDB) de sancionar aumento no próprio salário e de seus secretários não deverá se repetir nas cidades vizinhas na Grande São Paulo.
O tucano Orlando Morando, de São Bernardo do Campo, diz que não há a menor chance de fazê-lo em um futuro próximo e que tem doado parte de seu salário correspondente a um aumento concedido na gestão anterior com o qual não concordou.
Paulo Serra (PSDB), de Santo André, diz que 2021 será um ano de ajustes e que, após a pandemia, discutirá a reposição apenas para funcionários de carreira.
Em Diadema, Filippi (PT) afirma que vetará qualquer tipo de reajuste para prefeito, vice ou vereadores. “Estamos no meio de uma pandemia e em uma situação de desemprego”, afirma.
Em Mauá, Marcelo Oliveira (PT) aponta que essa possibilidade já foi vetada pelo Legislativo da cidade antes das eleições.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário