Funcionários do Banco do Brasil paralisam atividades contra reestruturação

Os funcionários do Banco do Brasil confirmaram uma paralisação de 24 horas nas atividades desta sexta-feira (29) contra as medidas de reestruturação anunciadas pela estatal. Em Salvador, um protesto será realizado às 7h, em frente à agência do bairro do Comércio. As demais agências estarão fechadas em todo o estado.
Em contato com o bahia.ba, o presidente do Sindicato dos Bancários da Bahia, Augusto Vasconcelos, afirmou que o principal objetivo da manifestação é o de “denunciar o desmonte que o banco vem enfrentando”. Conforme a estatal, serão fechadas 361 unidades no Brasil, sendo 112 agências (26 na Bahia), com a demissão de 5 mil trabalhadores, sem perspectiva de novas contratações, e ainda a redução salarial de 10 mil funcionários dos caixas.
“Estamos também denunciando uma tentativa de venda de áreas estratégicas do banco, como é o caso da BB DTVM (BB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários), que é uma empresa que atua com gestão de ativos é a maior empresa do ramo no nosso país. A BB DTVM corre risco de privatização e tem forte impacto nos resultados do Banco do Brasil”, afirmou.
O presidente do sindicato ainda defendeu o Banco do Brasil que é, de acordo com ele, “rentável, eficiente e atua com capitalidade”, chegando a “áreas [do país] em que bancos privados não querem ir”. “Boa parte dos lucros obtidos pela empresa são repassados ao Tesouro Nacional para que sejam destinados para a áreas importantes da União”, frisou.

Reestruturação

O anúncio feito pelo Banco do Brasil sobre a reestruturação que a estatal será submetida em 2021 gerou uma ameaça de demissão do presidente do BB, André Brandão, quatro meses após a posse. No início deste mês, conforme a CNN Brasil, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mudou de ideia após apelos do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.
Em conversa com o mandatário, os dois argumentaram que a demissão de Brandão poderia trazer impacto negativo no mercado ao demonstrar interferência política no banco, que possui o capital aberto.
Conforme a estatal, as medidas foram aprovadas para reduzir a estrutura organizacional do banco. A expectativa é que ao menos 5 mil funcionários possam aderir a uma das duas modalidades de desligamento incentivado voluntário.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário